31 2552-4580       rodrigosilva@uol.com.br
Conheça as opções minimamente invasivas para o tratamento do câncer colorretal

Conheça as opções minimamente invasivas para o tratamento do câncer colorretal

O câncer colorretal está entre os mais prevalentes no mundo, afetando milhões de pessoas anualmente. Este tipo de câncer, que pode surgir em qualquer parte do intestino grosso, é influenciado por uma combinação de fatores genéticos, ambientais e de estilo de vida, como dietas ricas em gordura e pobre em fibras, sedentarismo, obesidade, tabagismo e, em alguns casos, histórico familiar da doença. 

Os tratamentos variam conforme o estágio do câncer, incluindo cirurgia para remover o tumor, quimioterapia, radioterapia e, mais recentemente, opções minimamente invasivas. As cirurgias minimamente invasivas é uma opção bastante procurada por pacientes e recomendada por médicos, devido a sua recuperação mais rápida e menos dor pós-operatória, refletindo os avanços significativos da medicina nessa área. 

Câncer de intestino no Brasil

No cenário da medicina moderna, o tratamento do câncer colorretal é um exemplo vívido da evolução contínua em direção a técnicas mais refinadas e menos invasivas. O câncer de cólon e reto, considerado o terceiro tipo mais comum no Brasil, segundo estatísticas do Instituto Nacional do Câncer, tem visto um avanço significativo nas opções de tratamento graças ao progresso tecnológico. 

Este avanço não só amplia as possibilidades de tratamento eficaz, mas também promove uma experiência pós-operatória mais confortável para os pacientes, caracterizada por uma recuperação acelerada e uma redução nos dias de hospitalização.

As inovações tecnológicas introduziram tratamentos minimamente invasivos que representam uma alternativa avançada à cirurgia tradicional aberta. Estas técnicas, ao minimizar o trauma cirúrgico através de incisões menores, trazem inúmeros benefícios, incluindo uma recuperação mais rápida, menor dor pós-operatória, e um retorno mais rápido às atividades normais. 

Entre as opções disponíveis, destacam-se três métodos principais: a cirurgia videolaparoscópica, a cirurgia robótica e a cirurgia endoscópica transanal, cada uma com suas especificidades e vantagens.

Cirurgia Videolaparoscópica

Esta abordagem é pioneira entre os métodos minimamente invasivos. Utilizando uma microcâmera e ferramentas cirúrgicas introduzidas através de pequenas incisões no abdômen, a cirurgia videolaparoscópica permite uma visualização precisa e ampliada do interior do paciente, facilitando a remoção efetiva do tumor. 

Esta técnica se destaca pela sua capacidade de oferecer uma recuperação mais rápida, redução do tempo de internação e minimização das cicatrizes pós-operatórias. Adicionalmente, a introdução precoce da dieta e a diminuição do tempo de internação representam avanços significativos em comparação à cirurgia aberta, traduzindo-se em benefícios tangíveis para o bem-estar dos pacientes.

Cirurgia Robótica

A transição da cirurgia laparoscópica para a robótica representa um marco significativo na medicina moderna, refletindo um salto notável em precisão e segurança. Neste método, o cirurgião opera os braços robóticos através de um console, proporcionando uma visualização melhor da área a ser operada e uma manipulação precisa dos tecidos. 

Enquanto a cirurgia laparoscópica oferece a vantagem de ser minimamente invasiva, utilizando incisões pequenas e uma câmera para visualização interna, a sua limitação reside na visão bidimensional (2D), que pode restringir a percepção de profundidade do cirurgião. Em contrapartida, a cirurgia robótica eleva a experiência cirúrgica a outro patamar, fornecendo ao cirurgião uma visão tridimensional (3D) de alta definição, o que aprimora significativamente a capacidade de visualização dos tecidos e órgãos.

Além disso, os sistemas robóticos minimizam o risco de tremores ou movimentos involuntários, graças à sua capacidade de filtrar essas oscilações e traduzir os movimentos do cirurgião em ações precisas e estáveis, ampliando assim a precisão cirúrgica e reduzindo potenciais riscos associados à fadiga ou imprecisão humana.

Essa precisão resulta em menos dor pós-operatória, recuperação acelerada, e melhores resultados estéticos, marcando um progresso importante na qualidade do tratamento do câncer colorretal.

Cirurgia endoscópica transanal

Especialmente focada no tratamento de doenças do reto, a cirurgia endoscópica transanal utiliza o canal anal como via de acesso para a introdução de um endoscópio especial, permitindo a remoção de lesões com mínima invasão. 

Na cirurgia endoscópica transanal, não são necessárias incisões abdominais, reduzindo o desconforto pós-operatório e permitindo uma recuperação mais rápida. Esse método é indicado para tumores benignos ou em estágios iniciais de malignidade, representando uma opção eficaz e segura para pacientes selecionados.

Conclusão

A escolha entre estas técnicas minimamente invasivas depende de uma série de fatores, incluindo a localização e o estágio do câncer, bem como a saúde geral do paciente. Cada método traz consigo avanços tecnológicos significativos que melhoram os resultados cirúrgicos e a experiência do paciente. 

A cirurgia videolaparoscópica, a cirurgia robótica e a cirurgia endoscópica transanal são todas técnicas valiosas no arsenal contra o câncer colorretal e sua utilização deve ser discutida entre médico e paciente. 

Fechar Menu
× Como posso te ajudar?